quinta-feira, 16 de abril de 2009

Pornô feito por mulheres para mulheres



Achei interessante a matéria da ÉPOCA sobre filmes pornográficos feito por mulheres para mulheres:

Cai a última reserva de mercado dos homens: agora elas também dirigem filmes pornográficos
Marcela Buscato Com Fernanda Colavitti

Um ex-templo metodista construído no século XIX – a igreja Berkeley, em Toronto, no Canadá – abrigará em 24 de abril o evento mais profano de sua história: a entrega do Prêmio do Pornô Feminista. A competição escolhe desde 2006 os melhores filmes pornográficos feitos para mulheres, e neste ano há 46 finalistas disputando um troféu em formato de pênis estilizado. Trata-se de um recorde de participantes. E de uma revolução. As mulheres, que sempre estiveram à frente das câmeras nesse tipo de produção, como atrizes, agora estão atrás das câmeras, dirigindo. Elas querem criar filmes que mostrem a sexualidade da mulher de uma forma mais positiva e que sejam, simultaneamente, mais excitantes para as próprias mulheres. Cineastas como a sueca Erika Lust, a alemã Petra Joy, a britânica Anna Span e a americana Tristan Taormino dizem que adequaram a pornografia às necessidades da mulher. “Os pornôs para mulheres mostram o que queremos ver: atrizes com quem possamos nos identificar, homens bonitos, mulheres tendo prazer e, claro, um pouco de romance”, afirma a canadense Alison Lee, gerente da Good for Her, loja pornô para o público feminino que organiza a premiação.
Leia mais

É legal ver o sexo abordado de maneira bonita e com razão de ser e é legal ver mulheres à frente das produções.
O que mais me entusiasma é que existem algumas mulheres nesse meio que abordam o sexo de maneira hardcore, com beleza, qualidade técnica, luz, figurino(?), cenas de grupal e bissexual (de ambos).

Destaco o comentário da diretora americana Tristan Taormino (ela vale um post exclusivo), que faz filmes mais hard.
“Não dá para generalizar dizendo que todas as mulheres se acendem com envolvimento emocional, e não com imagens explícitas”, afirma Tristan. “Nem que todos os homens são visuais e não se excitam com emoções.
Realmente não dá para generalizar, acho legal um filme com história e sexo explícito, só que não cabe para todas as ocasiões ou a gente perde o foco...
Minha opinião é de que deve existir pornô para todos os gostos, sem esse rótulo do "para mulher: este você pode admitir que gosta".

O que mais me espantou nesses lances estereotipados de valores, foi ler que são feitos filmes para casais sem sexo anal, como comentou o Leandro Moran, da Sexxxy World,
“A maior parte dos pornôs é realmente destinada aos homens. Mas também fazemos filmes para casais, um pouco mais leves, sem cenas de sexo anal"

Heim!?!?
um pouco mais leves, sem cenas de sexo anal.... santa hipocrisia Batman.
Eles estão certos, tem que fazer filminho pro povo pudico também, mas a gente sabe que eles olham escondido...

Enfim, o que ficou claro é que a mulherada prima pela qualidade de imagem e a fuga do estereótipo, o que é muito bom, mas ainda me incomoda o lance do "soft e onírico", mas tá, estamos evoluindo.

4 comentários:

conversaatrevida disse...

Eu ainda não li a matéria na Época e confesso que me soa estranho isso de filme pornô pra mulheres...
Pra gays ou lésbicas ainda entendo (se bem que tem muuuuuuito homem que ADORA filme de lésbicas, afinal adoram ver mulheres se agarrando....rs)mas de resto achei que era só questão de gosto.

Porque sempre vai ter umas cenas que a gente vai curtir, outras não...

Agora o lance do 'um pouco mais leves, sem cenas de sexo anal' para casais foi quase 'bizarro'......rs

Abraço

Atrê

conversaatrevida disse...

Que bom que vc gostou do blog...

Espero que volte, não só pra espiar mas pra contribuir.
Bons comentários são sempre uma extensão do post.

Aliás, algumas vezes são até mais interessantes do que o texto principal...rs

Abraço
Atrê

Felipe M. Guerra disse...

Olha, eu sempre preferi os filmes pornôs dos anos 70 e 80, porque eles eram mais ingênuos e "românticos". Não gosto muito desse "pornô-açougueiro" dos tempos modernos, que fica dando close em pedaços de carne, e muito menos do fato de homens e mulheres ficarem se xingando e falando palavrões durante o sexo - isso sem contar aqueles em que os caras ficam dando bolacha nas mulheres enquanto transam! Fiquei curioso para ver os tais "filmes pornôs para mulheres", eles não precisam ser "mais leves", mas filmados com um outro olhar, mais sensível e menos hardcore.

Ah, e eu adoro filmes com lésbicas, mas normalmente são homens que dirigem também estes...

LEO disse...

Opa! blog novo no pedaço! pelo menos no meu!
curti pra caraleooooooooo
vou te colocar la no seximaginarium!
BJSSS
LEO